A cachorra, flagrada nesta semana, guardando o corpo de outra cadela que morreu atropelada, voltou para a casa da família de onde ambas tinham saído, na cidade de Bauru. A cena comoveu internautas e a foto “bombou” nas redes sociais.

A filhote de 8 meses chamou atenção de quem passou pela a avenida, porque chegou a fazer um buraco no chão, bem ao lado do corpo. “Elas eram mãe e filha”, explica Camila dos Santos Luiz, dona do animal. Aos 4 anos, Nina morreu durante o ‘passeio’ com Aninha.

Aninha, após retornar para casa. Vai cuidar agora dos irmãos.

A cena foi observada próximo da casa onde as duas cachorras moravam e que abriga outros três cães, sendo dois deles filhotes de Nina, ainda com 40 dias. “Ela já estava desmamando. Teve sete filhotes. Iríamos dar esses dois que sobraram. Agora não vamos mais”, acrescenta Camila.





De acordo com ela, Nina, que era uma Fox Paulistinha, saiu para dar uma volta, como sempre fazia. Já Aninha escapou. A família saiu a procura e não as encontraram e somente no fim do dia foi informada por uma vizinha, que a cachorra Nina havia morrido e que Aninha tinha sido resgatada.

No momento do reencontro, foi só ouvir seu nome, que Aninha fez festa. “Ao chegar em casa, foi dar carinho aos “irmãos” (filhotes de 40 dias) e depois, ficou quietinha. parece sentir falta da Nina”, explica Camila

FAMÍLIA – A possibilidade de Nina e Aninha possuírem laços sanguíneos já havia sido aventada pelo veterinário Eduardo Fagundes, justamente por conta do buraco feito por Aninha ao lado do corpo de Nina.

“Não há dúvidas de que ela pode ter feito esse buraco para enterrar o corpo”, comentou o profissional. Segundo ele, tal ação instintiva é mais comum quando os animais são ‘da mesma família’.